Hemangiomas congênitos: o que são e como tratá-los

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Pinterest
  • Compartilhar no Twitter

Acabou de receber ou conhece alguém que tenha hemangiomas e não tem ideia do que isso realmente significa?

Hemangiomas congênitos: o que são e como tratá-los

Acabou de receber ou conhece alguém que tenha hemangiomas e não tem ideia do que isso realmente significa?

Aqui você vai entender melhor o que são e qual o tratamento de hemangiomas.

Assim, é possível garantir que todo o conhecimento possível esteja do seu lado na hora de seguir a recomendação médica ou mesmo buscar por uma segunda opinião.

Vamos lá?

O que são hemangiomas congênitos

Hemangiomas congênitos: o que são e como tratá-los

Figura 1 Photo by The Honest Company on Unsplash

Antes de mais nada, a informação que é essencial diante de qualquer diagnóstico ou suspeita se refere a entender o problema.

Sendo assim, hemangiomas podem ser definidos como um acúmulo de vasos sanguíneos, que não é normal.

Esse acúmulo pode acontecer nos órgãos internos ou mesmo na pele, o que faz com que seja possível que apareça em qualquer lugar do corpo.

Porém, existem dois tipos: o hemangioma congênito e o infantil.

O hemangioma congênito representa em média 30% dos casos e se caracteriza por estar presente desde o nascimento.

Sendo assim, detectado através da ultrassonografia mesmo antes de a criança nascer.

Já o hemangioma infantil, é diagnostica nas primeiras semanas de vida devido ao crescimento rápido.

Em outras palavras, começa a surgir no pré-natal, mas são identificados no nascimento ou depois dos primeiros meses/semanas de vida.

Entre os hemangiomas mais conhecidos estão:

·         Capilar, que fica nas camadas mais superiores da pele;

·         Cavernoso, presente nas camadas mais profundas da pele;

·         Misto, quando há uma mistura de capilar e cavernoso.

Tratamento de hemangiomas

O tratamento de hemangiomas começa com a busca por recomendação médica, seja logo ao nascer ou mesmo no acompanhamento médico e exames de rotina.

Alguns, como os hemangiomas que surgem nas pálpebras, podem significar um risco para a qualidade de vida, afetando o desenvolvimento da visão.

Por isso, o tratamento de hemangiomas deve ser rápido e logo que detectado.

Após a confirmação do hemangioma, feito através da observação clínica, são realizados outros exames, quando a criança apresenta algum tipo de lesão, infecção ou sangramentos.

Hemangiomas congênitos: o que são e como tratá-los

Figura 2 Photo by Anna Earl on Unsplash

No mais, o início do tratamento começa com o uso de medicamentos betabloqueadores, semelhantes aqueles utilizados em condições cardíacas.

Descobriu-se que esse medicamento tem ação positiva em hemangiomas, evitando o crescimento e facilitando o desaparecimento.

Alguns médicos ainda fazem uso de corticosteroides, mas o uso está sendo suspenso devido a quantidade de efeitos colaterais.

Importante: os hemangiomas costumam desaparecer sozinhos durante a infância e os tratamentos são indicados apenas em casos que representam um risco ao desenvolvimento e bem-estar da criança.

Como resultado, é essencial que os responsáveis tenham o acompanhamento pediátrico para ver o resultado.

Em muitos casos, a recomendação médica é analisar e esperar que o acúmulo de vasos se desfaça sozinho, já que o uso de medicamentos logo na infância é quase sempre considerado de risco.

Dados médicos: 50% dos casos de hemangiomas acabam desaparecendo sozinhos até os cinco anos de idade.

Ao mesmo tempo, outros costumam perdurar até os doze anos.

Mesmo após esse desaparecimento do acúmulo de vasos, é possível que algumas marcas ou resíduos de manchas permaneçam na pele, como uma mancha de nascença.

Hemangiomas: causas e sintomas

Até o momento, os médicos e especialistas não podem afirmar quais as causas exatas do aparecimento de hemangiomas.

Por outro lado, existem algumas teorias que estão em constante avanço.

Uma das principais possiblidades está relacionada a fatores hormonais e influências genéticas.

Hemangiomas congênitos: o que são e como tratá-los

Figura 3 Photo by Jenn Evelyn-Ann on Unsplash

Assim, a recomendação médica é sempre fazer o pré-natal e seguir com o acompanhamento durante os primeiros anos de vida.

Algumas outras teorias apontam que o hemangioma infantil poderia estar relacionado a fatores mecânicos ou mesmo devido ao ambiente no qual a criança vive.

Mais ainda é um grande talvez na história médica.

Algo que se sabe até agora é que os hemangiomas tem alguns fatores de risco, ou seja, são mais comuns em alguns grupos de pessoas, como por exemplo:

·         Em bebês prematuros;

·         Pessoas do sexo feminino;

·         Crianças caucasianas.

Já quando o assunto são sintomas, essa observação fica a guardo dos responsáveis e da equipe médica, já que as crianças ainda não têm a mínima ideia do que está acontecendo nos primeiros anos de vida.

Frequentemente, os hemangiomas são detectados devido ao aparecimento de manchas planas e de coloração vermelho vivo.

Essas manchas podem aparecer em qualquer região do corpo, mas são mais comuns no rosco, peito, costas e couro cabeludo.

Quando o hemangioma representa um perigo

Os hemangiomas são bastante conhecidos por serem definidos como tumores benignos devido a uma má formação vascular.

Apesar do nome, que pode assustar, é comum que as equipes médicas entendam como algo normal e que vai sumir em breve.

Geralmente, o desafio se dá pelo desconforto estético, devido as manchas que aparecem na pele.

De qualquer maneira, o principal desafio é quando os hemangiomas se tornam lesões ou feridas, sensíveis e dolorosas ao toque.

Hemangiomas congênitos: o que são e como tratá-los

Figura 4 Photo by Sharon McCutcheon on Unsplash

Quando isso acontece, a criança pode sentir desconfortos, perda de apetite e de peso, vômitos e náusea.

Em casos mais extremos, quando os hemangiomas atingem os ossos e órgãos internos, além do medicamento pode ser necessária a retirada através de procedimento cirúrgico ou a laser.

Hemangiomas na laringe, olhos e ossos são considerados como os mais graves e que necessitam de intervenção, já que comprometem a área no qual estão causando dificuldade na respiração, desvio do olho ou erosão óssea.

Para quem convive com hemangiomas, o essencial é evitar que aquele nódulo sangre ou seja exposto ao sol.

Mais importante que isso, é essencial procurar o acompanhamento médico, tirar as dúvidas e conhecer as opções que você tem.

Lembre-se, geralmente, os hemangiomas somem sozinhos e não representam nenhum risco, mas para ter certeza sobre isso, é preciso a análise profissional.

Então, siga o acompanhamento do seu filho antes e depois de nascer.

E, se você for adulto e notar um nódulo ou saliência na pele, procure um clínico geral ou dermatologista.

Conclusão

Como resultado, hemangiomas são um tipo de tumores comuns na infância que podem desaparecer com o tempo.

A recomendação médica é fazer os exames de rotina e seguir o tratamento de hemangiomas adequado, sempre que o mesmo for recomendado.

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Pinterest
  • Compartilhar no Twitter

Olá, deixe seu comentário para Hemangiomas congênitos: o que são e como tratá-los

Enviando Comentário Fechar :/